quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Feliz Natal! ♡

Desejamos a vocês um Natal abençoado e que o amor de Jesus Cristo esteja presente sempre dentro dos corações de todos!  Muitas alegrias e união a todas as famílias!!!
Beijos, Cacaw, Maria Flor e Fabricio. :)







quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Notícias... ♡


Às vezes me bate uma saudaaade daqui, desse meu espacinho virtual...
Estamos bem, na correria da nova vida, mas super adaptadas à nova rotina. Tão bom dormir e acordar ao lado da minha pequena. Maria Flor completou 4 meses no último dia 30 e já mostra um pouco de sua personalidade com o passar dos dias, observadora, tranquila, sorridente e séria ao mesmo tempo e brava, muito brava quando está com sono. Aliás, já dorme a noite todinha, adora assistir Palavra Cantada, banho de chuveiro, puxar a barba do papai, o tetê da mamãe e sua centopeia de pelúcia.

Eu estou voltando a trabalhar no Ateliê aos poucos, e está me fazendo tão bem, amo meu trabalho, fazer arte, criar... Os afazeres domésticos também estão em minha lista diária do que fazer, mas graças a Deus eu conto com a ajuda de minha mãe e do meu maridão. Do mais, ser mãe me toma o dia, a vida e o pensamento todo... Ser mãe é maravilhoso e eu, sinceramente, acho que é o que faço de melhor! ♡

Um beijo!


quarta-feira, 30 de julho de 2014

1 mês ♡

Pisquei os olhos e 1 mês passou. Não vi os dias correrem, mas sinto que uma vida toda se desenrolou diante de mim. Me tornei uma ilha no meio de um monte de gente. Uma ilha em que só vivem você e eu. Me deparei com um ser pequeno, frágil e totalmente dependente e, sem medo algum, eu simplesmente sabia o que fazer. É o tal do instinto materno, ele existe e cresce dia após dia, junto de você. Em um mês você me ensinou muito mais do que eu aprendi durante minha vida toda, você me conhece muito mais do que eu conheço você. Hoje o meu cheiro preferido é o dos seus cabelos, a cor mais linda é a dos seus olhos, o meu som favorito é o seu choro forte, o que mais me preocupa são seus desconfortos e a minha meta é a tua felicidade! Me olham e dizem que mudei... e mudei mesmo. Meu cheiro é de leite, pijama é meu uniforme, meu sono tornou-se leve, meu cabelo vive embolado e batom só de vez em quando. Estou me reconhecendo, renascendo, ressurgindo. Estamos ilhadas uma na outra por tempo indeterminado e isso é o que me fez entender o amor, a doação, a vida. Obrigada meu Deus, por tamanha benção! Obrigada filha pela oportunidade de ser sua mãe. Parabéns pelo seu primeiro mês de vida. Eu te amo, Maria Flor! 










segunda-feira, 7 de julho de 2014

O relato (sincero e consciente) de meu parto. ♡

Nasceu uma flor aqui no meu jardim...

Desde que descobri que estava grávida tomei diversas decisões em minha vida. Melhorei minha alimentação, comecei a me exercitar e até mesmo refletir sobre quem eu era/queria ser para minha pequena, mas devo confessar que o que mais ocupou o meu tempo foi estudar sobre o parto. Foram meses ansiosos pra mim. Ponderei todas as minhas possibilidades, anseios, medos, sonhos e crenças, e me decidi: quero um parto normal conveniado, mas que não ultrapasse as 40 semanas, se não conseguir, faço uma cesária e tudo bem! Fiquei tranquila e feliz durante toda minha gestação, pois sabia que faria minha decisão valer. Não vou relatar novamente o que me levou à essa escolha, pois os motivos já foram expostos e, na verdade, eles só fazem sentido pra mim, não é mesmo? Como sempre digo, cada mãe tem o seu direito de escolha e deve lutar por ele. Chamei o meu parto de “parto consciente”.  Nosso limite: 30/06/2014, segunda-feira, 40 semanas e 2 dias, dia em que eu e meu marido comemoramos 10 anos juntos e 2 anos casados, mas que não foi o fator decisivo e sim uma bela coincidência, que nos deixou muito feliz!

Com 38/39 semanas fiz meu primeiro exame de toque: colo apagado, 1 dedo de dilatação. Os dias seguintes foram de exames para acompanhar a quantia do líquido amniótico, batimentos cardíacos da Maria e exercícios em casa pra acelerar a dilatação. Às vezes sentia contrações fortes, um dia pensamos que ela chegaria, mas nada, passou. Outros dias não sentia nada, mas pensava firmemente: vem, filha, vem!

No domingo, dia 29, fiquei o dia todo em casa com cólica e contrações fraquinhas... Meia noite, dia 30/06 chegou! Ok, tudo bem! Tudo pronto, vamos dormir, amanhã Maria Flor chega por uma cesária! Que felicidade, vou ter minha filha em meus braços!!! Me deitei, cochilei, acordei, fui pra sala, me deitei no sofá e comecei a sentir... Será que eu tô ficando doida? São contrações? Às 3h da manhã elas começaram tímidas e eu conseguia até relaxar. Às 5h a coisa ficou feia! Ouvi o despertador do Fabricio tocar, afinal, às 6h eu seria internada. Começamos a arrumar tudo, não aguentei e soltei um “Aiiiiiiiii” enorme! Maria ia nascer!!! Eu não podia acreditar! Ele não podia acreditar! Nossa filha chegaria mesmo no dia 30, ela havia escolhido esse dia pra ela e pra nós!


Eu andava, me trocava, rebolava, guardava as coisas, gritava, tomava água, sorria, gritava, me maquiava, agachava... Tudo ao mesmo tempo. Pedi pro Fá cronometrar as contrações e percebi que elas estavam bem ritmadas e muito, muito doloridas, mas eu queria que elas viessem, eu queria senti-las. A dor pegava toda minha barriga, minha lombar estava se quebrando em mil pedaços, mas era a dor mais gostosa que eu já havia sentido. Louco, né?

Às 6h eu já estava pronta. O Fá continuava a cronometrar e constatou: as contrações estavam em média a cada 2min e duravam cerca de 50s cada. Nessa hora eu juro que pensei que chegaria ao hospital meeeeega dilatada e que o parto seria rápido e lindo, nem me dei conta de que as contrações estavam próximas demais.

Durante o trajeto, dentro do carro, eu tive uma contração muito forte, urrei de dor, e senti algo molhar minha calcinha. Chegamos ao hospital às 6h30 e enquanto o Fá dava entrada na papelada, minha mãe me levou ao banheiro. Sangue. Não era muito, mas era sangue. Não era, nem de perto o tampão, era sangue puro. Fiquei muito assustada, claro! As contrações continuavam e, acredito que pelo fato de ter ficado nervosa ao ver o sangue, minha pressão baixou. Eu tremia de bater os dentes. Me levaram de cadeira de rodas direto pro centro cirúrgico. Lá, as enfermeiras me prepararam e me acalmaram enquanto meu médico não chegava. 

Deitava naquela maca eu gritei, esperneei  e apertei o que vi pela frente.  Num momento de tranquilidade, uma das enfermeiras me perguntou se eu faria o Parto Normal e eu disse que queria tentar, que meu médico sabia de minha vontade. Ela me olhou e disse que achava que eu ainda não estava dilatada. Chamaram uma médica do plantão para me examinar melhor e confirmar. “Sangramento e 1 dedo. Pode ser um leve descolamento de placenta, vamos aguardar seu médico chegar pra decidir, fica calma, tá?” O QUE? Só um dedo ainda? Devo confessar que isso me frustrou, mas meu medo foi pensar na possibilidade de ser realmente um descolamento de placenta.

Não sei quanto tempo depois disso demorou pro meu médico chegar, só sei que vê-lo foi um alívio enorme. Após alguns exames, a confirmação:  descolamento de placenta e aquele mísero dedinho de dilatação de semanas atrás não havia progredido. Pensei nos riscos. Tentei me concentrar em tudo o que havia lido a respeito, mas meu coração gritava! Nessa hora eu pedi a cesária! Não só pelo medo de colocar em risco a vida de minha filha, mas eu realmente não estava aguentando mais e não tenho vergonha nenhuma em assumir isso. A dor era enorme. Tinha que confiar naquela equipe! Naquele momento tudo o que eu mais queria era que aquela dor acabasse e minha filha nascesse.

Uma picadinha nas costas e puft! Toda dor foi embora! Chamaram o Fabricio e ver meu marido com os olhos marejados e ansiosos foi lindo! “Qual o nome do bebê, papai?” – “Maria Flor”, “Que lindo!” – “Então vem, Maria Flor!” – “Vem, Florzinha!”, só consegui ouvir isso ao fundo e de repente o choro de minha filha, misturado ao meu. Como eu chorei! Desentalei todo choro de angústia, medo, ansiedade e amor que estavam em meu peito. Não conseguia controlar a emoção. É algo indescritível, é nascer, renascer! Às 7h31, do dia 30 de junho de 2014, nasceu minha Flor, com 45,5cm, 2.710kg, Apgar 10/10. Pequenininha, vermelhinha e a minha cara!


Hoje, uma semana após seu nascimento, resolvi relatar tudo o que vivi naquele dia. É engraçado lembrar dos pequenos detalhes, do tratamento que recebi, da expectativa e até mesmo da dor. Disso tudo só ficou a certeza de que minha filha escolheu o dia que queria nascer, ela estava realmente pronta e em sua infinita inocência, chegou nos presenteando! Eu, como sua mãe, decidi como ela iria chegar e não me arrependo disso. Pode ter sido por medo de algo dar errado ou até mesmo por não aguentar mais, não importa. Eu tive a oportunidade de sentir os sinais de que ela estava chegando e no fim, ou melhor, começo de sua vida aqui fora, a beijei e pedi pra Deus abençoá-la. Isso é o que fez tudo valer a pena! Eu pari o meu parto e, para mim, foi o parto mais lindo do mundo!






 Com amor, 
Cacaw ♡

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Quase lá... ♥

Gestação é uma coisa doida mesmo... Passa tão rápido. Digo a gestação, porque a maternidade em si é algo mais profundo, intenso. Estou num processo de gestação própria: me gestando pra (re)nascer com a minha filha. E lá se foram 36 semanas... Falta pouco, muito pouco. E ela vai nascer no mês mais lindo do ano, Junho. Meu mês preferido, mês em que eu e o Fá completamos 10 anos juntos e 2 anos casados. E, acreditem se quiser, Deus nos presenteou com a possibilidade dela nascer exatamente no dia 30/06, nossa data. Imaginem a felicidade? 

Por aqui tudo pronto. Quarto decorado, roupas lavadas, passadas e guardadas nas gavetas, mala da maternidade pronta... Agora é segurar a ansiedade e essa sensação de mudança completa que estou sentindo. É como se eu estivesse me despedindo do que já fui, pra ser alguém melhor, mãe, mulher... É louco, lindo, triste, feliz, único...

Fico por aqui me despedindo por enquanto. Volto renascida pra apresentar minha Maria e o meu novo eu.

Beijos :*


quarta-feira, 12 de março de 2014

Quase 25 semanas... ♥

Ai como eu queria ser aquelas mamães/blogueiras mega ativas, que planejam postagens diárias especiais, que relatam em seus blogs o dia-a-dia e o desenvolvimento da gestação, o planejamento, o pré-natal e tudo mais... Mas eu definitivamente não consigo! Não adianta ficar protelando e dizendo que "em breve eu volto"... Vou ser sincera, vou voltar quando der, quando eu sentir saudades ou tiver um tempinho pra postar, tá? Eu queria muito, juro! Mas não consigo. Então, eu volto quando der pra ir contando uma coisinha ou outra, dando um oizinho e matando a saudade. Esse Blog faz parte da minha vida, do meu crescimento e amadurecimento e eu nunca vou abandoná-lo completamente. :)

Sobre a gravidez... Sábado completamos 25 semanas, quase 6 meses completos! E eu só penso em como o tempo voaaaaaaaaaa! Fizemos todos os exames mais importantes da gestação e graças a Deus está tudo bem. Estou tendo uma gravidez muito tranquila, engordei somente 3 kg até agora, me sinto super disposta, mas em contrapartida muito sensível e chorosa (mais do que sempre fui!). Maria Flor é uma filha muito espoleta, tem dias que não me deixa dormir de tantooo que se mexe, mas é muito bom, a melhor de todas as sensações. Só estou torcendo muitooo pra ela ficar mais calminha depois que nascer, por que se não vai me deixar de cabelos em pé!

Ela já tem 592gr muito bem distribuidas em  27cm. Está sentadinha e usando a minha bexiga de pula-pula. Sapeca! Como a mamãe, ela adoraaa um doce, é só eu comer que ela já fica doidinha pedindo mais, mas o papai tá controlando isso (chato!) Aliás, do papai, segundo o penúltimo ultrassom, ela puxou o narizinho empinado e os dedinhos compridos. Parece loucura, mas esses pequenos fragmentos captados pelo ultra nos fazem sonhar e ficar horas "montando", como um quebra-cabeças, a sua aparência... Como será? Pra quem ela vai puxar?

O enxoval está completo, mas o quarto que será dela ainda é meu Ateliê, ou seja, está uma bagunça! Por isso, em breve, iremos enfrentar uma obra no fundo de casa, onde montaremos o meu Ateliê e assim liberaremos o quartinho da nossa pequena Florzinha, ai eu vou ter trabalho dobrado: montar/decorar o quarto dela e montar/decorar o meu Ateliê. Agora imagem fazer tudo isso com uma barrigola do tamanho de uma melância? haha Por esse motivo, eu decidi já fazer o Chá de Fraldas, que aconteceu no dia 02 de março, meu aniversário. Foi lindo e será o tema do próximo post, tá?

Agora, pra vocês acompanharem mais de pertinho nossa incrível viagem, algumas fotos de uma sessão que fiz com 19 semanas aqui em casa, logo que descobri que esperava uma menininha, e uma fotinho dela, é claro! Espero que gostem! :)

Narizinho de papai!

Eu já tô com cara de mãe?




Beijos duplos e muitos chutinhos pra vocês! :*

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Nasceu uma flor aqui no meu jardim... ♡


Nossa Maria, nossa Flor, nossa Maria Flor!

Que alegria (e que sorte) descobrir aos 4 meses de gravidez que estamos a espera de uma meninota. Confesso ter ficado surpresa, apesar da minha "preferência" por uma menina, desde o começo eu achava que esperava um menino e por incrível que pareça quando a gente fica grávida essa preferência se esvai... É como se o sexo do bebê não tivesse importância alguma, afinal, ele está ali, dentro de você, e isso já é tão lindo, tão intenso, tão mágico que não interessa se o quartinho vai ser rosa ou azul. Você simplesmente quer esse bebê, fruto de seu amor, em seus braços. Simplesmente assim! 

Primeiro veio o fim dos enjoos (ufaaa!), depois vieram os chutinhos que mais pareciam bolhinhas estourando até se tornarem mexidinhas visíveis na barriguita da mamãe, mas eu não sabia quem me habitava. Chamava de bebê e até então era meu bebê e ponto final. Sem ansiedade, sem neura. Mas ai todo mundo começa a perguntar "e ai, já descobriu o que é?" e isso vai se transformando em uma avalanche de sentimentos que dia após dia só aumenta... Ai, meu amor, não há mãe que aguente! Quero sabeeeeeer!!!

O dia do ultrassom chegou! 4 meses e 4 dias de gestação. Um medinho percorrendo minha espinha, "será que vai dar pra ver?" - Doutor Alexandre mexe aqui, mede acolá, fêmur, barriguinha, cabeça, perninhas e na lata: "muié" - HÃ, COMO ASSIM, MENINA? O Fá nesse momento treme a câmera e esquece de filmar a tela e fica uns 5segundos filmando o chão e rindo! Dr. Alexandre lança mais uma de suas pérolas: "olha aqui a pixica"...  Não sei se dou risada ou se choro! São dois risquinhos minúsculos no meio das perninhas que definem o meu bebê: Maria Flor!

Sai do consultório com aquele sorriso que não descola do rosto, sabe? Me sentindo privilegiada. Meu Deus, tudo o que eu sempre sonhei!!! Entramos no carro e a gente só se olhava e ria... Avisamos os sogros e foi aquela festa. Avisei minha mãe e foi aquela choradeira. Fui pra hidroginástica e falei pra todo mundo. Eu só pensava nela, só queria falar o nome dela: estou esperando minha filha, Maria Flor!

Agora, estamos nos conhecendo. Eu canto pra ela e ela dá uma mexidinha. Eu passo a mão, fico imaginando seu rostinho, abro a mala de roupinhas toda hora... Já estamos criando nosso laço mãe&filha. Maria vai ser minha companheira, minha amiga, minha flor... E eu vou cuidar dela com todo carinho que uma flor necessita. 

Filha, eu te amo!